Produção mundial de carne suína deve aumentar em 13% até 2030, segundo OCDE-FAO

Com menos de 10 anos até o prazo de 2030 para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (ODS), os governos precisam intensificar seus esforços para cumprir as metas ambientais e de segurança alimentar globais, de acordo com um novo relatório divulgado pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que destacou a produção de carnes para os próximos anos.

Para a carne suína, a expectativa, conforme relatório, é que a produção mundial aumente 13% até 2030, ficando acima do valor que foi reduzido devido a Peste Suína Africana (PSA) em 2018-2020. É esperado que os surtos de PSA continuem mantendo a produção global de carne suína abaixo dos picos anteriores até 2023 e, em seguida, se projeta um aumento progressivo até 2030.

Essa perspectiva projeta que a produção de carne de suíno na China e no Vietnã começará a aumentar em 2021 e atingirá os níveis de 2017 já em 2023. A maior parte do aumento da produção de proteína suína nas regiões afetadas pela PSA será resultado de uma mudança das instalações de produção de quintal para instalações de produção comercial.

A produção de carne de suíno na União Europeia deve diminuir ligeiramente, já que as preocupações ambientais e públicas limitarão a sua expansão. A Rússia, o quarto maior produtor de carne suína, irá expandir a sua produção em mais 10% até 2030.

Cresce o consumo global de carne suína

O consumo global de carne suína deverá aumentar para 127 milhões de toneladas nos próximos dez anos, assim como responder por 33% do aumento total no consumo de proteínas. O consumo per capita, deverá crescer nos países em desenvolvimento, enquanto o consumo diminui na maioria dos países desenvolvidos.

Nos países em desenvolvimento, espera-se que o consumo per capita de carne de suíno, aumente consideravelmente durante o período estudado. As taxas de crescimento serão sustentadas na maior parte pela América Latina, cujo consumo por pessoa de carne suína amplia rapidamente, apoiado por preços relativamente favoráveis ​​que posicionam a carne suína como uma das preferidas. Projeta-se que vários países asiáticos, que tradicionalmente consomem carne suína, aumentem o consumo assim que o impacto da PSA diminuir.

Referências:

http://www.fao.org/3/cb5332en/Other.pdf

http://www.fao.org/news/story/en/item/1414682/icode/

https://www.3tres3.com.br/print/1571

Partilhe este post:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no print
Compartilhar no email