A genética e a qualidade da carne suína

O mercado mundial de genética suína está passando por um processo de consolidação, mas ainda tem um espaço muito grande para ocupar. A China continua sendo o assunto mais comentado no momento, principalmente em função dos problemas sanitários na produção de suínos. Atualmente a China representa 50% da produção global, no entanto, tem uma suinocultura de baixa tecnologia.

Neste cenário, o mercado de genética suína profissional no mundo ocupa um espaço de apenas 35%. A tendência é de que este número cresça, principalmente, em detrimento da mudança significativa no perfil da produção chinesa de suínos, que caminha para uma maior profissionalização.

No Brasil, um dos principais países produtores e exportadores da proteína suína, a profissionalização faz parte da rotina do setor. “Somos o 4º maior exportador de carne suína, considerando a União Europeia como um único bloco. Isso é resultado de todo o trabalho que existe na produção brasileira”, destaca o diretor geral da Topigs Norsvin, André Costa.

Nos últimos 30 anos, a entrada de empresas de genética permitiu ao Brasil se tornar um grande player da produção de suínos no mundo. Contribuíram para esse feito também as características favoráveis que o País oferece, como a extensão de terra, produção de grãos, água e o profissionalismo dos produtores.

A genética desempenha um grande papel no crescimento da produção de carne suína de 5% ao ano. Um setor que se orgulha em ser extremamente profissional e de trabalhar com a genética mais avançada do mundo. A Topigs Norsvin, líder mundial em pesquisa e desenvolvimento de genética suína, investe na importação de material genético de qualidade. “Tudo isso para manter os planteis brasileiros atualizados geneticamente, comparados em termos de nível genético com os principais produtores do mundo”, acrescenta Costa.

Outro destaque da suinocultura brasileira é o produtor, que realiza grande investimento para manter o plantel atualizado, não apenas em genética, mas também em melhores instalações, nutrição de qualidade, além de investimentos cada vez mais altos em relação às questões de bem-estar animal e sanidade. Dessa forma, os ganhos se somam e efetivamente a suinocultura brasileira cresce facilmente 5% ao ano.

A genética é fundamental nesse processo, pois o suíno é um animal com um ciclo curto de vida, sendo uma espécie que compete com o ser humano por soja e milho. “O trabalho com genética avançada nos permitirá reduzir cada vez mais o consumo de alimentos, tornando o suíno mais eficiente, e aumentando a produção de leitões por fêmea, valorizando a questão da qualidade de carne. Assim, a genética permite que a suinocultura seja cada vez mais competitiva frente às outras proteínas, sem esquecer o grande diferencial da carne suína que é a praticidade, o sabor e a versatilidade. A carne suína nos oferece desde um tradicional bife de lombo até um refinado presunto de parma”, finaliza André Costa.

Partilhe este post:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no print
Compartilhar no email